“… e se reclamar vai funcionar mais” :P

Tópicos desse texto

A verdade sem carinho

Antes de mais nada, é importante que você saiba que esse post foi feito pensando justamente em VOCÊ! Sim, você mesmo! Segredo nosso, viu? Conta a ninguém não … Mas dá uma olhada no que quero com esse post:

  • Fazer você entender que comunidades existem
  • Fazer você entender que comunidades funcionam
  • Fazer você querer contribuir com elas
  • Fazer você contribuir mais

E bem, devo dizer que sei que você pode usar uma dessas falas:

  • “Mas aqui não existe tal grupo”
  • “Por quê nunca tem algo assim aqui?”
  • “O pessoal não apoia

Mas vou ser logo direto: se em algum ponto você usou uma negativa como uma dessas a culpa é toda SUA. Simples assim. :)

Motivador para o texto

Vamos entender o motivo de esse texto ter surgido? Bora! Afinal, se quiser pular essa parte, fique a vontade, se a curiosidade deixar.

O principal motivador, sem dúvida, foi o crescimento e movimento que houve no PHPBA. Esse foi o estopim, mas houveram outras coisas, por exemplo o Raul Hacker Club e o #ViradaHacker. Explico melhor, numa ordem cronológica.

Raul Hacker Club

Senta que lá vem a história …

Estava na adolescência, lendo e aprendendo um bocado de coisa sobre computação. Sabe aquela época? Então, essa mesmo. Estava pesquisando por determinado tópico e encontrei uma palestra muito boa sobre aquilo. Aprendi, e bem, sobre aquela coisa toda. E como está na cartilha de “Como ser um fuçador”, fui ver o que mais havia além daquela palestra naquele evento, naquele lugar, daquele palestrante, e todas essas coisas. Acabei então que cheguei a um termo mágico: “Hackerclub”.

Comecei pesquisar o que era isso. Em minha mente, era um lugar onde uma meia dúzia de hacker se reunia para fazer um bocado de coisa massa. Eu queria. Falo com quem para ter um desses? Ninguém me deu de presente, então tive de ir atrás. Achei algo, um possível troço desse aqui na Bahia. Era por volta de 2014 (e acabei de perceber pelo histórico de mensagens aqui que fazem exatos dois anos, foi em abril de 2014). Por problemas que não cabem falar aqui tive de me afastar um pouco (muito, na real) e, alerta de spoiler, em 2015 teve a volta.

Vi algumas postagem de alguém sobre algo e nisso tinha lá a logo do Raul HC. Logo pensei “ih, carai, é aquele negócio! Esqueci de voltar lá”. Logo mandei e-mail pro pessoal, fui bem recebido, e com pouquíssimo tempo já era da casa. Simples, não?! Vamos seguindo.

Virada Hacker

Já realmente fazendo parte do Raul HC que fui conhecer um pessoal mais ligado à segurança da informação. Como já tinha um pouco de contato com isso e gostava do tema, comecei a me aproximar mais dessa galera. Tinha um encontro toda sexta que ia algumas pessoas para lá simplesmente para fazer o que der na telha. Programar; estudar; hacking na veia; É tudo da lei. Ou seja, era um evento com a intensão de chamar a galera de segurança para perto. Movimentar esse lado.

Com o tempo, o laço de amizade e confiança foi de fortalecendo, e por ter ideias em comum, acabou surgindo o LampiãoSec, um grupo de pesquisa voltado à segurança. Hoje é o grupo responsável pelo #ViradaHacker. Fazemos algumas talks, oficinas e grupos de estudos lá no Virada. Ti dizer, é complicado, mas fazemos. As vezes desanima, mas fazemos.

Agora vamos ao estopim …

PHPBA

A questão do PHPBA foi “simples” e muito provavelmente, se você acompanha o blog ou a comunidade em si, já está acostumado com essa história. Vejamos:

Fui buscar na lista de e-mails o histórico e não achei de forma organizada, então presumi que minha entrada foi no mesmo período do post mais antigo que li. Para quem usa Google Groups deve saber que isso pode funcionar.

Entrei para a lista de discussão, e com isso para a comunidade, por volta de 2014. Desde lá várias ideias ótimas foram postadas na lista, uma pena que nem tudo funcionava tão bem. Faltava algo. Faltava pessoas? Não. Faltava iniciativa? Não. Faltava expertise? Não. O que faltava? Quem souber morre.

Algumas ideias de eventos surgiram, mas não lembro de nenhuma terminar realmente sendo feita. Ah, hangouts, fizemos alguns hangouts. Isso foi bem bacana! Surgiram ideia de alguns projetos, mas não lembro de nenhum ter continuidade. Ao menos foi comprado esse domínio para o site e começado algo com ele.

Mas nesse ano que vos escrevo, 2016, foi lançada uma thread na lista perguntando a opinião da galera sobre fazer um blog. Vou listar aqui o que aconteceu com isso, e tente ler essa lista abaixo o mais rápido e eufórico que puder, pois seria assim que contaria essa história pessoalmente:

  1. Hugo lançou a thread sobre o blog
  2. Márcio, Félix e Jorge já falaram que tinha interesse em escrever
  3. Vi e mandei a ideia de usar Github Pages
  4. Félix gostou da ideia, Hugo também
  5. Márcio já criou o repositório e disponibilou acesso
  6. Mostrei que tinha o problema do layout mas sugeri alguns sites para se basear em alguns temas
  7. Paulo apareceu de supetão dizendo que ajudava no layout
  8. Hugo separou seis temas que ele gostou
  9. Desses, eu filtrei para dois, Márcio para três, George para dois
  10. Paulo veio de supetão novamente, gostou de um desses temas (inclusive, era o único tema em comum entre todos que falaram algo) e já subiu no repositório
  11. A partir daí foi só alegria!!

Nos comunicamos pela lista de e-mails, pelo sistema de PRs, issues e comentários do próprio Github e em dois dias o Blog do PHPBA estava pronto, no ar, e rapidinho já tinha um post. Isso não é história de pescador programador! Pode olhar na thread lá na lista e no histórico do repositório daqui do blog.

Hoje PHPBA está bem movimentado. Saiu por agora nosso primeiro PHPeetup (que pode olhar ai pelo blog tudo que rolou lá), e já estamos pensando em próximos. O projeto PHP Business BA está rolando. A organização do PHPeste se encaminhando … Tudo acontecendo e sem dúvida, o caso de bom sucesso do blog influenciou nisso. E o caso de outras comunidades influenciou o blog. E com certeza nossa comunidade vai inspirar outras. Viu? É um ciclo sem fim.

Você é o culpado - explicação

Acredito que essas histórias do PHPBA, RaulHC e #ViradaHacker (mesmo esses dois últimos não sendo muito falado) já servem para mostrar que a comunidade funciona. Agora vou explicar o motivo de eu falar lá encima que você é culpado se não funcionar e coisas correlatas.

Desde quando comecei estudar “essas coisas de computadores” fui vendo essa coisa de comunidade daqui e comunidade dali. Via isso como a melhor forma possível de se aprender e produzir algo. Afinal, eu já tinha meu grupinho de amigos feito pelos fóruns, IRC e RaidCall da vida, mas pensa comigo, se todo mundo online já era bacana, imagina pessoalmente, todos na mesma mesa, fazendo algo! Se precisasse de alguma ajuda era só virar o monitor e alguém ajudava, afinal, com certeza, no grupo todo alguém já teria passado por esse problema. Então ia buscar entrar nessas comunidades. Tudo que servia a regex {alguma tecnologia}-{br,ba,nordeste} eu estava lá querendo entrar e ficar de olho. Isso é para mostrar o motivo de defender tanto a questão de comunidade. :)

Mas vamos à explicação da tua culpa caso não haja comunidade, caso a comunidade esteja parada. Veja bem, meu jovem, comunidade é algo formada por indivíduos. Se ela não funciona, onde está o problema? Justamente com as pessoas que a compõe. Certo? Certo. O que você faz por essa comunidade? Fica reclamando no facebook que ela não existe? Então, deixa eu ti contar uma coisa: você é um indivíduo dessa comunidade. Então onde está o problema de ela não funcionar?

Pegou a ideia da coisa? Espero que sim, mas qualquer coisa, só comentar ai embaixo. =]

Conclusão

Então o que podemos pegar disso tudo?

  • Comunidade existe
  • Comunidade sou eu
  • Eu faço a comunidade funcionar
  • Se eu não faço nada, não posso reclamar que a comunidade não faz

Está faltando algumas, acredito. Mas novamente, comenta ai embaixo para o post ficar completinho e tinindo.

Então, meu caro, vou dar uma sugestão: tenta substituir toda sua energia que usa para se lamentar que a comunidade aqui não é difundida, que o pessoal não apoia, que isso e aquilo, para fazer com que a coisa vingue, fazer algo que empolgue as pessoas. Que tal?

Se ninguém abraçar a ideia, vai seguindo, para não. Comunidade de um homem só não deixa de ser comunidade. Ela se fortalece quando esse cara mostra que vale a pena ficar ali e aparece mais gente interessada. E com toda certeza: há gente interessada!

Dicas de apoio

Vou tentar separar algumas dicas aqui para que você realmente seja mais ativo nas comunidades que participa ou que quer participar. Essas dicas acabei por fazer como um “estilo” de vida e 9 entre 10 médicos recomendam o mesmo. O que não recomenda é o ranzinza que reclama que a comunidade de medicina não se reúne.

  • Todo mundo tem iniciativa, o que nos falta é acabativa! (Raul HC)
  • Faça você mesmo! (Do it yourself) (mundo)
  • Peça desculpas mas não peça permissão! (Raul HC)
  • Troque o “poderíamos fazer” por “vamos fazer” (Eu)
  • Se você não fizer, ninguém mais vai fazer. (Raul HC)

Entre parênteses tem a fonte de onde acabei por ouvir essa frase, então, boa parte dessas dicas agradeço, principalmente, ao pessoal do Raul HC, que ouvi muito disso lá.

Abraços, leva para o pessoal não, e até a próxima! o/